You are currently browsing the monthly archive for August 2009.

typical tenement

in town

Vim aqui parar quase por coincidência ou, talvez não! Na altura queria aventurar-me em novas experiências e a Escócia sempre me fascinou muito!

A minha intenção não era ficar por aqui mas depois de conhecer um Glaswegian a minha/nossa vida deu aos poucos 360º graus e tomou rumos que  até então nunca tinha pensado…

Quando aqui cheguei achei a cidade um pouco triste, a maior parte dos edificios quase todos do mesmo feitio e de uma cor de barro, isso aliado ao céu quase sempre cizento não ajuda muito… Os edificios modernos têm ainda menos piada! O melhor da em arquitectura (na minha opinião) são as igrejas. Com o tempo aprendi a olhar mais para cima,  alguns prédios têm detalhes muito bonitos apesar de muitos estarem mal conservados devido à poluição e depois de conhecer melhor a cidade e decobrir os parques fiquei um pouco mais em paz, a Escócia tem uma luz linda e quando o sol brilha o verde é lindissimo e continuo a achar que o melhor é que saindo da cidade em meia hora estamos no meio do campo.

Quando me perguntam se gosto da cidade (e perguntam muito, especialmente depois de saberem que sou portuguesa) confesso que tenho de ser um pouco diplomática, respondo que em geral gosto das pessoas (são muito educadas, afinal não é todas as cidades de quase 2 milhões de habitantes que se tem por habito agradecer ao motorista do autocarro quando vamos a sair) apesar de haver um grande problema com o consumo de alcool e isso reflete-se nas leis (não se pode comprar alcool apartir das 10 da noite e ao domingo só apartir do meio dia, por causa do futebol, mas isto dava assunto para um outro post bem comprido de certeza).

Glasgow na época Vitoriana era conhecida como a Segunda Cidade do Império,  cresceu com a industria de construção de barcos, ferro,textils e tabaco e esse passado industrial está bem reflectido na própria cidade. A maior parte da cidade é constituida por tenements, construídos no século 19 e 20, têm tectos altos e  bay windows são sem sombra de duvida mais bonitos por dentro do que por fora, em alguns apartamentos encontra-se os tectos originais e vitrais (é mais nas escadas) muito bonitos.

Nos anos 60 havia um grande problema de habitação, os tenements também foram construidos para albergar a mão de obra necessária para as fábricas mas esses não tinha muitas condições de vida, sobre esta parte não sei muito mas sei que Glasgow ainda foi destruído por bombas aéreas na II Guerra Mundial e depois desta deve ter havido pressão politica para melhorar as condições habitacionais e a solução encontrada foi construir enormes edificios, o que nos anos 80 se tornou um grande problema social, agora esses mesmos estão a começar a vir abaixo, muitos já foram demolidos e mais se seguem.

Arquitecture and housing

Apesar de tudo penso que Glasgow é uma cidade que vale a pena conhecer, onde a maior parte dos museus são de entrada livre e com qualidade, tem 4 ou 5 teatros/salas de espectáculo um cinema que mostra diáriamente filmes europeus ou um pouco menos blockbuster, tanto da actualidade como um pouco mais antigos e para quem gosta de Rennie Mackintosh não há melhor cidade!

homemade Seitan

Tal como o pão, da primeira vez que fiz Seitan pensei: mas porquê que eu não fiz isto antes!

Desta vez deixei muito mais do que 5 horas, que é o que a receita recomenda. Não é nada dificil de fazer a parte menos boa é lavar a farinha debaixo de água ao mesmo tempo que se amassa. Para ser sincera, nesta altura da minha vida (uma criança pequena e outra quase a nascer…) se houvesse por aqui alguma loja que vendesse, ao contrário do pão, eu preferia comprar do que fazer mas não encontro quem venda, nas lojas onde poderia haver nem sequer sabem o que é e como eu gosto muito, tanto do sabor como da versatilidade não me importo de fazer, até porque dá para congelar e assim não tenho de fazer todas as semanas.

quilting

quilting

Foi na última noite antes de ir de férias que cortei e juntei os quadrados, os tecidos que ia usar já estava decidido porque eu andava com um problema: o que é que eu ia levar para fazer nas férias. Com muito calor tricot ou croché estava fora de questão e com um bebé não pode ser nada que exiga muita concentração.

Quilting foi o projecto perfeito e como é uma coisa pequena acabei nas para férias o que fica sempre como uma lembrança e para uma iniciante melhor ainda. A príncipio era para ser uma almofada mas quando cá cheguei e fiz a borda pensei que o melhor era servir de naperon e agora acaba por estar pendurado na parede (tenho é de arranjar uma maneira melhor sem ser uma cruzeta!), adoro as cores e não me canso de olhar para ele, a única coisa que mudava era se na altura tivesse linha de quilting amarela tinha usado em vez da branca.

Há uns dias atrás eu e o pai do pequeno conversamos sobre o uso do sabonete/gel de banho do bebé eu apresentei os meus argumentos por não usar os que tão convenientemente se compra no supermercado e porquê que vale apena andar mais um bocado e esperar uma semana para ir ao “Farmers Market” comprar o sabonete:

A maior parte desses produtos são testados em animais, vem num frasco de plástico que se pode reciclar sim, mas se se poder evitar melhor ainda e é composto por químicos que não se sabe de onde vêm e que mal faz… Enquanto que no mercado compro o meu tão amado sabão de urtigas (nettle soap) que é recomendado para peles sensiveis (psoriaris, eczema, etc), produzido aqui na Escócia com o método Cold-process soap.

Mas depois comecei a pensar nos meus próprios argumentos e quiz ficar com as ideias mais esclarecidas, já li em vários sitios sobre o perigos dos quimicos usados em produtos de beleza, limpeza etc, etc, ou o facto de não se saber bem os perigos dos mesmos, sei que o grupo dos Paraben não está muito conceituado mas tentei saber mais sobre os outros químicos mas para ser sincera não fiquei muito mais esclarecida, o melhor que eu vi (para o meu nivel de conhecimento de quimica) foi este, depois de uma breve pesquisa na internet cheguei à conclusão que devia ter tomado mais atenção nas aulas de química e que a informação disponivel não é muita, no entanto ao pesquisar no google “chemicals baby” então ai aparece uma série de artigos sobre o assunto.

A minha conclusão é ficar de consciência tranquila de que faço a escolha certa.

father and son

.Carvalho

Não é a primeira nem a segunda vez que lá vamos, mas é sempre bom voltar!

The cookery room

Dresser

Oven

A minha sala preferida do museu da exposição de ontem é The cookery room que foi restaurada a ficar como seria em 1906 quando a escola abriu, todo o mobiliário foi desenhado por Charles Rennie Mackintosh tal como o próprio edificio.

Mechanics Alive!!

Dead Sea

Fish

Mechanics Alive! é uma exposição patente no museu Scotland Street School Museum, Glasgow e foi ainda mais divertido para o pequeno do que o que eu pensava, tem botões e movimento, nada melhor! Mas também é muito interessante para os mais velhos (crianças ou adultos) para explorar como os “bonecos” funcionam. É tudo feito à mão e até há livros a ensinar como fazer este tipo de peças, que não sei bem como chamar, será uma especie de fantoches? Ou bonecos mecanicos?

Cabaret Mechanical Theatre começou com uma pequena loja que vendia coisas feitas à mão (incluindo tricot), no site há um pouco mais da história, videos, mais sobre a exposição e até uma “exposição” virtual.